segunda-feira, 25 de julho de 2016

C-767 - FAB 2900 - (2º/2º GT) “Esquadrão Corsário”.

Pousou as 13:20 hrs a nova aeronave da Força Aérea Brasileira do Esquadrão Corsário.
O Boeing 767-300 ER, veio transportar o pessoal do exercito, para a colaborar com as  Olimpíadas no Rio de Janeiro. Ao todo foram transportados 247 integrantes.
O DTCEA - CT convidou um grupo de entusiastas para visitar o interior do Boeing.
Por determinação do Major, não foi autorizado fotos internas da aeronave, mas o que prevaleceu foi conhecer a máquina e seu interior.
Bancos de couro, e na configuração pax, a aeronave que está arrendada da Colt por 36 meses, pode transportar 257 passageiro na versão econômica e apesar de fabricado em 1992, a aeronave esteve em poucas empresas aéreas.
A Martinair foi a empresa que mais ficou com o Boeing, após a grega SkyGreece que deixou de voar em 2016, foi a última companhía aérea a operar o 767.
A bordo da aeronave podemos ver ainda placas indicativas em inglês e no idioma grego.








 PS:Agradecemos a gentileza do pessoal do DTCEA - CT pelo convite para com o grupo.
 Fotos:Rosvalmir Afonso






quarta-feira, 20 de julho de 2016

CURITIBA - NOVAMENE ELEITO O MELHOR AEROPORTO - MAS O WIFI ????






Líder no ranking nacional que avalia os melhores aeroportos do país, o Afonso Pena, em São José dos Pinhais, na região metropolitana de Curitiba, ainda sofre com a qualidade de internet para os passageiros. De acordo com a Pesquisa Permanente de Satisfação do Passageiro, realizada pelo Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil, o terminal tem nota 2,24 de 5 possíveis na categoria, a pior entre os 15 grandes aeroportos do país.
Foto: Divulgação
Apesar disso, o Afonso Pena voltou a ser apontado como o melhor terminal do País, com a nota de 4,64. Dos 38 indicadores avaliados, Curitiba alcançou a maior nota em 15 deles. Banheiros e qualidade na sinalização são destaques na avaliação do aeroporto da Grande Curitiba, com notas acima de 4,5. Outras notas altas foram: disponibilidade de assentos na sala de embarque; sensação de segurança nas áreas públicas do aeroporto; limpeza geral; conforto térmico e acústico; e qualidade da informação nos painéis das esteiras de restituição de bagagem.
No ranking geral, o Aeroporto Santos Dumont, no Rio de Janeiro, ficou em segundo lugar, com nota 4,44; seguido de Guarulhos (SP), com 4,40; Recife (PE), com 4,36; e Viracopos (SP), com 4,34.
“Mais uma vez, entre os cinco melhores terminais, três são da rede Infraero, o que destaca cada vez mais a disputa saudável e aprimoramento dos gestores aeroportuários na prestação dos serviços aos passageiros, após o início da série histórica, em 2013. Nesta rodada, vimos o Aeroporto do Santos Dumont em segundo lugar, no esforço para chegar a primeiro do ranking. Isso mostra que a pesquisa serve como base para que os aeroportos saibam os pontos que precisam melhorar e o que já está dando certo na gestão” afirma o ministro dos Transportes, Portos e Aviação Civil, Maurício Quintella.
Ao todo foram realizadas 13.452 entrevistas nos meses de abril, maio e junho de 2016. Desde que o levantamento começou a ser realizado em 2013, mais de 225 mil pessoas foram ouvidas. O levantamento é realizado pela Praxian – Business & Marketing, responsável pela pesquisa de campo, o nível de confiança do estudo é de 95%, com margem de erro de 5%.
Fonte:BandaB.com.br
Foto:Rosvalmir Afonso

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2016

AMERICAN AIRLINES - UM DIA QUE MARCOU O AFONSO PENA.




Cheguei as 7:45 da manhã, para presenciar o último pouso do American em Curitiba.
Tempo feio, garoa vindo da serra, um ar de despedida no ar.
E as 8 horas da manha em ponto, toca o solo o N39356, um Boeing 767-300 ER, fabricado em 1988, ainda nas cores antigas da empresa, aquele metal polido que eternizou as aeronaves da companhia americana.
Taxia lentamente, até o gate 4, e o pessoal de solo inicia seus serviços.
Toda a equipe de atendimento, começa a aparecer, e as fotos vão surgindo a cada minuto, o pessoal parece participar de uma festa, não querendo lembrar que amanhã, alguns estarão sem seus devidos empregos, não terão mais a rotina de atender o público com o sorriso estampado em suas faces.
Embarque efetuado, é chegada a hora, mas ainda há tempo do Comandante e Co piloto fazerem uma selfie da equipe que tanto auxiliou nesses quase 3 anos de coleguismo.
Como se fosse de propósito, uma mala, ficou faltando embarcar e o 767, permanece mais alguns minutos em solo paranaense, para a alegria dos entusiastas que se aglomeram no saguão do aeroporto, tentando de todas as formas eternizar o momento.
Pronto, serviço de rampa encerrado, é chegada a hora de viver os últimos momentos ao lado do Boeing metálico.
Mecânico fala pelo fone de rampa, e ouve o choro emocionado que vem abordo do cockpit.
Pushback executado e o 767 demora um pouco mais para inicio do táxi, toda equipe se posiciona para o último aceno, alguns choram, outros aplaudem, outros se abraçam.
O Boeing 767, começa o táxi até a cabeceira 15 do Afonso Pena, alguns minutos depois inicia a corrida e após a intersecção das pistas, decola suavemente para Porto Alegre.

Pronto, chega ao fim a história da American Airlines em Curitiba.
A única empresa que peitou tudo e todos e fez os paranaenses voarem para Miami com uma escala e voltando em voo direto.
Se os aviões as vezes, (e não foram poucas as vezes), deram problemas, e não eram o exemplo de modernidade em seu interior e em outras tecnologias, mas o que valeu é que uma empresa americana, acreditou na demanda do povo da região.
Com a ajuda dos agentes de turismo, operadoras, levando a solicitação a sério, faltou por parte das autoridades, darem o respaldo mínimo.
Agora é torcer que a crise vá logo embora e que outras empresas pensem igual a American Airlines.

See you later American.
Texto e fotos:Rosvalmir Afonso Delagassa